Desde 2000
Todas as manhãs informando o operador do direito
7
ABR

Advocacia paranaense pode procurar Cejusc para realizar audiências virtuais

Os Centros Judiciários de Solução de Conflitos (Cejusc) já estão preparados para operar as audiências online de conciliação e mediação por meio de ferramentas virtuais/digitais, conforme a portaria nº 3742/2020  da 2ª Vice-Presidência do Tribunal de Justiça (TJ-PR). Os advogados paranaenses podem peticionar diretamente nos autos, indicando o interesse pela realização da sessão de mediação ou conciliação por meios digitais.

De acordo com a coordenadora do Cejusc, juíza Vanessa Jamus Marchi, embora os prazos processuais estejam suspensos não há impedimentos para a realização das audiências.  “Os prazos estão suspensos por determinação do Decreto 172/2020 do TJ-PR, em obediência à determinação do CNJ. Então os juízes não podem intimar as partes, tomar a iniciativa de ofício, mas os advogados podem solicitar as audiências”, pontua.

“Hoje temos quase 2.500 processos represados nos Cejuscs, que são as audiências canceladas – cerca de 2.100 são audiências preliminares que correspondem ao art. 334 do CPC 2015. Enquanto essas audiências não ocorrerem, os prazos de contestação não passam a fluir. A quarentena vai nos impor um atraso processual muito grande. Então seria muito importante que os advogados buscassem o Cejusc nesse momento, seja para tentar a conciliação, seja pelo fato de chegar e dizer que não há acordo. Porque neste caso superamos a fase do art. 334 e já deixamos o processo pronto para o início do prazo da contestação”, explica a magistrada.

Economia

A coordenadora do Cejusc frisa que o Paraná tem hoje condições de oferecer uma prestação jurisdicional mais célere que em outros estados.  “É interesse do advogado fazer o processo andar. É interesse da parte. O processo tem que ser visto pelo viés econômico: um processo parado é dinheiro que não circula. O advogado não recebe honorários, a parte não vê o seu direito satisfeito. O represamento significa muito mais do que simplesmente um processo parado”, avalia.

“O prejuízo é muito mais do advogado e da parte do que do Judiciário. Em tempos de pandemia, em que a economia vai sofrer um baque violento como estamos percebendo, a função do Judiciário neste momento é oferecer meios para que a moeda circule, para que as coisas funcionem. É dinheiro que deixa de entrar para o escritório de advocacia e para a parte que está sendo assistida”, acrescenta Vanessa Jamus Marchi. 

A magistrada lembra que o CNJ disponibilizou uma plataforma virtual emergencial, mas ela não é a única que pode ser utilizada: a Portaria nº 3742/2020 permite que a audiência aconteça por outras vias – zoom, facetime, hangout e outras plataformas que permitam a realização das audiências.  

“Acreditamos que não há condições do sistema de justiça funcionar se não houver parceria entre o Judiciário, o Ministério Público e a OAB. Não existe a menor possibilidade – ainda mais num momento de crise como essa – que essas três instituições não estejam engajadas e olhando para a mesma direção. O que o Poder Judiciário fará o que puder para que a advocacia se realize nesse momento, para que a economia não pare, que os contratos se mantenham, vamos fazer o que estiver ao nosso alcance. E hoje temos condições de fazer essas 2.500 audiências”, afirmou.

O contato com o Cejusc pode ser feito pelo e-mail conciliacaoforumcivil@tjpr.jus.br e pelo telefone (41) 99924-4017

ESA/PR

A Escola Superior de Advocacia da OAB Paraná realizou live no último dia 3 de abril sobre como será o funcionamento das sessões/audiências por meios virtuais de Conciliação (Juizados Especiais) e Conciliação e Mediação (CEJUSCs) autorizadas pelas Portarias 3605/2020 e 3742/2020 do TJPR. A conversa aconteceu com o Assessor da 2ª Vice-Presidência do TJ-PR, Leonardo Andrade Ferraz Fogaça, e a coordenadora de Direito Privado da ESA OAB/PR, Marília Pedroso Xavier Confira a íntegra aqui. 

“Acredito que a recente Portaria 3742/20 vem em boa hora e com grande acerto. Penso que seu maior mérito é dar a mais ampla liberdade para os procuradores e partes. Afinal, eles decidirão se desejam ou não se valer dessa via e qual seria a melhor plataforma para aquele caso concreto. Lembro que não há qualquer tipo de sanção para os que não desejarem aderir as sessões virtuais”, afirma Marília Pedroso Xavier.

O Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC) também está à disposição da advocacia para eventuais dúvidas: nupemec@tjpr.jus.br
e pelo whatsApp 41-32002397.

Fonte: OAB-PR

Últimas Notícias