Desde 2000
Todas as manhãs informando o operador do direito
ADVOGADOS CORRESPONDENTES
22
Maio

Defensoria obtém decisão que reconhece ilicitude de reconhecimento fotográfico realizado sem observância da lei

Foto de acusado foi mostrada isoladamente para as vítimas, que mudaram a descrição do autor do crime após suposto reconhecimento

A Defensoria Pública de SP obteve uma decisão do Tribunal de Justiça paulista (TJSP) que reconheceu a nulidade do reconhecimento fotográfico realizado sem observância dos procedimentos previstos no código de processo penal, e assim, absolveu um acusado pela prática do crime de roubo. 
 
Eduardo (nome fictício) havia sido condenado à pena de 8 anos, 6 meses e 20 dias de reclusão por supostamente ter cometido o crime de roubo. No entanto, a condenação foi baseada no reconhecimento fotográfico realizado sem que tenham sido observados os procedimentos previstos legalmente – o que torna nulo esse procedimento.
 
Segundo consta no processo, as vítimas do roubo noticiaram o crime por meio de um boletim de ocorrência eletrônico, logo após a ocorrência dos fatos. Na ocasião, apontaram que os suspeitos eram “homens brancos de compleição física magra”. Cerca de dez dias depois, uma denúncia anônima à polícia apontou que o autor do crime seria Eduardo. Assim, as vítimas foram chamadas à delegacia, e durante o depoimento, mudaram a versão acerca da descrição dos suspeitos. Além disso, fizeram o reconhecimento fotográfico com base em apenas uma única foto apresentada, a de Eduardo – situação de evidente indução de testemunhas, de acordo com a defensora pública Daniela Batalha Trettel, responsável pela revisão criminal apresentada ao TJSP.
 
“Percebe-se que, a partir do recebimento da denúncia anônima, a descrição física dos assaltantes no inquérito policial mudou completamente. Como já mencionado, no boletim de ocorrência, que foi registrado momentos após o crime, todos os assaltantes eram homens brancos. Já após o recebimento da denúncia anônima e da indicação de Eduardo como um dos suspeitos, tudo mudou”.
 
A defensora também apontou irregularidades durante a fase judicial, uma vez que, antes de iniciar a audiência de julgamento, o acusado foi mostrado às vítimas sozinho, sem estar ao lado de outras pessoas de características semelhantes, como prevê o artigo 226 do código de processo penal. “Nenhuma formalidade foi seguida no reconhecimento judicial, realizado como se fosse mera burocracia sem importância a ser superada. (…) A autoria delitiva foi comprovada apenas com base nos reconhecimentos pessoais realizados pelas vítimas de forma irregular e sem amparo em qualquer outra prova”. 
 
No pedido feito à Justiça, a defensora apontou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) já decidiu acerca da necessidade de se determinar a invalidade de reconhecimentos fotográficos e pessoais que não tenham seguido estritamente o previsto na lei. O argumento foi reiterado aos desembargadores pelo defensor público Rodrigo Vidal Nitrini, do Núcleo de Segunda Instância e Tribunais Superiores, que realizou sustentação oral perante o 8º Grupo Criminal do TJSP.
 
No julgamento do caso, o desembargador Camargo Aranha Filho apontou que a condenação de Eduardo é calcada em prova ilícita, “colhida ao arrepio dos procedimentos previstos da lei processual penal. (…) A meu sentir, e na esteira do quem vem decidindo o Colendo Superior Tribunal de Justiça, ainda que tenha ocorrido a ratificação do reconhecimento em juízo, a prova, quando contaminada pelo primeiro ato realizado, totalmente em desconformidade com a norma processual penal, não pode sustentar uma condenação”. 
 
Embora tenha havido empate na votação dos desembargadores do 8º Grupo Criminal, prevaleceu o entendimento favorável ao acusado, que, portanto, foi absolvido do crime de roubo, por falta de provas.

Defensoria Pública - SP

Últimas Notícias