Desde 2000
Todas as manhãs informando o operador do direito
03
Jun

Praga presente em embalagem de mercadoria impossibilita importação

Uma importadora de Itajaí (SC) foi proibida de receber mercadoria do exterior por presença de larvas identificadas como praga. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) suspendeu liminarmente o direito da Rech Importadora e Distribuidora S/A de adquirir peças para trator que vieram para o Brasil acompanhadas de larvas quarentenárias (que apresentam riscos ao ecossistema). O julgamento da 4ª Turma ocorreu semana passada (29/5).

A empresa ajuizou ação após o serviço de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) proibi-la de receber a mercadoria acondicionada por madeiras que continham micro-organismos categorizados como praga. A importadora requereu a liberação, alegando que a espécie de larva encontrada não está na lista que regulamenta a classificação de pragas quarentenárias no Brasil.

A 3ª Vara Federal de Itajaí julgou favorável à empresa, desde que as peças viessem sem o acompanhamento dos suportes de madeira. A União recorreu pela reforma da decisão, argumentando que a praga identificada ainda traria riscos ao meio ambiente, já que o material infectado não pode ser destruído, porque Santa Catarina não possui credenciamento de unidade de incineração capacitada para acabar com as larvas.

O relator do caso, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, entendeu que, como não há elementos que garantam a separação do material importado e do micro-organismo presente na madeira, é impossível assegurar a ausência das pragas na mercadoria. O magistrado observou que, considerando que as peças são destinadas a tratores, os riscos ao meio ambiente são maiores, pois há contato direto com a natureza.

“É caso de reformar a decisão que autorizou o ingresso de mercadorias importadas em razão do forte risco de internalização de praga”, decidiu o desembargador.

Nº 5014629-75.2019.4.04.0000/TRF

Últimas Notícias