Desde 2000
Todas as manhãs informando o operador do direito
18
SET

TRF3 proíbe importação de leite com qualquer índice de contaminação radioativa

Magistrados concluíram que não há índice aceitável ao consumo humano, além da radiação natural de cada alimento
 

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) confirmou decisão da 26ª Vara Federal em São Paulo que proibiu a importação, venda, comercialização ou disponibilização de leite ou qualquer outro produto dele derivado e importado que contenha qualquer indício de contaminação radioativa, além do natural.

A ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público do Estado de São Paulo e pelo Ministério Público Federal em 1986, logo após o acidente com a usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia. Na ocasião, o Brasil passava por uma crise de abastecimento com o Plano Cruzado e, em decorrência da carência de leite para consumo da população, o país decidiu importá-lo de diversas nações.

Na ocasião, a Companhia Brasileira de Alimentos (Cobal) publicou um edital de concorrência pública no qual previa que os bens provenientes do Mercado Comum Europeu deveriam estar acompanhados de atestado que garantisse a inexistência de índice de contaminação radioativa e que, nos portos de destino, a descarga do navio poderia ser vetada.

Porém, laudos do Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD) e de outras instituições apontaram que grande parte do carregamento de leite em pó proveniente do continente europeu, após o acidente nuclear, apresentava índices de contaminação radioativa. Assim, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) editou a Resolução 7/86, de 10 de setembro de 1986, que fixou limites de radiação, com vigência até 28 de fevereiro de 1987, de 3.700 Bq/kg para Césio-134 mais Césio-137, para o leite em pó, sendo que para os demais produtos o índice era de 600 Bq/kg.

A sentença de primeiro grau, ao determinar a proibição, ponderou que os índices fixados por ocasião do acidente nuclear para os países europeus levaram em consideração as necessidades locais e o interesse em não perder todo o produto existente e que os critérios utilizados para a Europa não podem valer para o Brasil, país distante do local do acidente.

Ponderou ainda que os direitos à vida, à integridade física e à saúde têm assento constitucional, razão pela qual, para protegê-los, não há segurança quanto aos efeitos do consumo do leite e derivados contaminados pelos elementos Césio 134 e Césio 137. Portanto, não pode o produto ser oferecido para a população nem a título gratuito e, menos ainda, sem que ela seja informada a respeito do que está consumindo e dos riscos a que está sujeita.

No TRF3, o desembargador federal André Nabarrete salientou que o pedido final, que já tinha relevância à época, adquiriu maior importância ao longo do tempo, independentemente do evento histórico motivador da propositura da ação. Ele afirmou que, se não fosse a ação do Ministério Público e a jurisdição prestada com rapidez na concessão de liminar, o que foi importado seria consumido com consequências que a CNEN não se preocupou em impedir ou que poderia evitar com uma atitude mais responsável.

Após consulta a diversas instituições, o magistrado concluiu que não há estudos dos efeitos a longo prazo dos contaminantes radioativos, nem tampouco de curto prazo, não obstante, quanto ao último aspecto, as experiências de Hiroshima, Nagazaki (Japão) e Three Mile Island (EUA).

“Assim, por envolver a população brasileira como um todo, afigura-se inconsequente que, sem pesquisas de campo específicas, que demandam tempo e dinheiro, se adote qualquer tipo de índice, já que não se duvida do risco envolvido na ingestão de alimentos contaminados artificialmente”, declarou.

Consequentemente, o magistrado afirmou não ser razoável trazer produto que contenha qualquer índice de radiação artificial e correr qualquer tipo de risco à saúde da população que somente se verificará no futuro. “Sem estudos consistentes não é possível afirmar, como fizeram alguns, que não há nocividade ou que qualquer leite tem algum grau de radiação artificial”, declarou.

Assim, diante da incerteza dos reais efeitos para o futuro que elementos radioativos, “que muitas vezes têm meia-vida extremamente longa”, o desembargador citou o filósofo Hans Jonas sobre a responsabilidade dos seres humanos e, em especial, dos políticos ou políticas públicas de longo prazo em relação ao futuro.

"Portanto, para nós, contemporâneos, em decorrência do direito daqueles que virão e cuja existência podemos desde já antecipar, existe um dever como agentes causais, graças ao qual nós assumimos para com eles a responsabilidade por nossos atos cujas dimensões impliquem repercussões de longo prazo", concluiu.

Apelação Cível 0937212-35.1986.4.03.6100/SP

Fonte: TRF3

Últimas Notícias